domingo, 26 de agosto de 2007

Nostalgia: Cássia Eller.


No dia 29 de dezembro de 2001, a música brasileira perdeu sua criança maravilhosa, Cássia Eller, a mais importante cantora do universo pop/rock nacional dos anos 90. A personalidade forte e marcante era sua principal característica, a qual se refletia nas suas interpretações sempre excepcionais. Algo de mágico e contagiante me ligava à cantora. Não conseguia desviar a atenção dela quando das suas aparições na TV. Eu a amava demais! Cássia era extremamente telentosa, sensível e, além disso, muito verdadeira. O contraste acidez/doçura a tornava única. Falava o que pensava e cantava o que queria. Seu repertório variava de Jimi Hendrix a Arrigo Barnabé. Num mesmo show, era possível ouvir "Na cadência do samba", de Ataulfo Alves, e "Smells like teen spirit", do Nirvana. A cantora era completamente apaixonada por Cazuza, Beatles e Renato Russo. Sua estréia em disco se deu no início dos anos 90. O carro-chefe do álbum foi o belíssimo crossover Legião Urbana/Beatles ("Por enquanto/I've got a feeling"), em versão definitiva e imortalizada.


Cássia tinha uma característica rara nos dias de hoje: fazer com que as canções interpretadas parecessem suas. É impossível dissociar a imagem de Cássia da canção "Malandragem" (Cazuza/ Frejat), inicialmente feita para Angela Rô Rô, mas recusada pela mesma. Cássia conseguiu transformar as composições de Nando Reis em verdadeiras maravilhas (ouça "O segundo sol", "Relicário" e "Luz dos olhos").

O dueto com o mestre Djavan na canção "Milagreiro" é de provocar arrepios, de tão belo. Cássia é e será sempre inesquecível. Sua passagem meteórica pelo planeta foi um lindo presente para nós, amantes da boa música!

2 comentários:

Cristina Verçoza disse...

Concordo com vc, Freddy! Cássia era uma das maiores cantoras que o Brasil já teve! Aquele CD "Com você meu mundo ficaria completo" é uma verdadeira obra-prima, de muito bom gosto e versatilidade!

Valdeline Barros disse...

"Cássia tinha uma característica rara nos dias de hoje: fazer com que as canções interpretadas parecessem suas."
É realmente impossível dissociar a imagem da Cássia da canção "Malandragem"...
Sua personalidade forte, é a principal responsável por isso. Sua presença marcante chegava antes mesmo dela. Não tinha, e ainda não tem, porque ela não morreu, ficou imortalizada... Não tinha como não percebê-la. E a doçura, por vezes "maliciosa", da música de Nando Reis, na minha opinião, sempre resultou em um "casamento perfeito" com a voz e atitude de Cássia. É o tempo todo "o tom que eu faço as minhas músicas, na tua voz parece exato"!