quinta-feira, 3 de maio de 2007

"DESESPERO-ME QUANDO FICO LONGE DE TI POR MUITO TEMPO".

Não sei se te amo ou se te odeio! Quero fugir de ti, mas não consigo. Uma força maior que meu ser me impele a fazer exatamente o contrário: correr para teus braços. És meu bem e meu mal. Acalmas os meus nervos e dissipas a minha energia física e espiritual. Desespero-me quando fico longe de ti por muito tempo; às vezes, eu te quero o tempo todo! Nos momentos de solidão atroz, tu és a minha companhia constante; tua presença me distrai e me faz esquecer, por instantes, a dor de ser tão só. És uma doce armadilha: chegas sutilmente para depois tomar conta de todo o meu corpo e até do meu pensamento. Proporcionas a mim um prazer intenso, mas és, de certa forma, um veneno que me leva a cometer um lento e gradual suicídio. Há noites em que não consigo dormir sem o teu acalanto... Ah! Teu odor impregnado em minha roupa e no ar que eu respiro... Roubaste o meu autocontrole... Um dia estarei livre dessa escravidão; estarei livre de ti, CIGARRO!

Um comentário:

Williams Vicent disse...

sim, e tu fuma? ou desgraça, cigarro é uma desgraça. certa vez escrevi um texto apaixonado assim pro cigarro, mas nao sei onde ele esta