domingo, 4 de abril de 2010

A um amigo poeta


Às vezes me pergunto se o poeta está predestinado à solidão. Ele não tem norte, direção... Caminha sem bússola por entre matas fechadas. Vive afogado em seus mares de temores, segredos e amores. O "silêncio" das palavras é a sua arma mais poderosa. Ele faz da escrita a válvula de escape do seu desespero. Utiliza o lirismo como alimento necessário e indispensável à sua subsistência. É extremamente exigente e meticuloso em seus trabalhos. Irrita-se e alegra-se com facilidade. Chora e sorri na mesma intensidade. Ama a seriedade e o escracho. Prefere os labirintos às linhas retas. É quase sempre criticado e incompreendido. Aprisiona-se em seu próprio sonho de liberdade. Eleva-se espiritualmente mas se rende aos vícios terrenos. Aprecia as adegas e as tabacarias. Algumas vezes, ele é humilde; outras, narcisista. Não perdoa os próprios erros. Odeia a incoerência e permanece nela.

O poeta expressa seus sentimentos de uma forma tão ímpar que as emoções se sobrepõem aos seus desatinos. Tentar classificá-lo e entendê-lo é como reduzir-lhe o coração e o pensamento à mediocridade. Poetas não vieram ao mundo para serem compreendidos, mas para deixarem seu legado aos demais.

6 comentários:

Anônimo disse...

Tenho certeza que já li isso antes. Beijos!

A Escafandrista disse...

gostei do blog.

MARAH disse...

RX DE POETA...EXCELENTE.TE ADOREI...MESMO!

Luiza Jardim disse...

Mt bom texto!

Tirzá Souza disse...

Oi! Seu blog é muito bom! Nos brinde, por favor, com mais postagens!

Hélia Burgos disse...

Belo texto.diria que poeta vive com emoções a flor de pele,assim ele transpira o tempo todo poesia, magia e encanto em suas palavras.
Parabéns pela postagem!
Desejo que vc tenha mto sucesso na vida!